Eus

Silêncio. Se imaginou um pássaro e voou dentro de um tórax corroído. Passou por vestígios de amores, sabores, crenças e cores que já não enxergava mais. De repente, encontrou um outro ele. Claro. Pequeno. Imune. Incomum. Uma criança mesmo. Então, o menino caminhou até a porta que dava pra fora. Se sentou e ficou. Ali já não era mais o velho eu, mas um novo ele que encantava a todos nós.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s